Palavras ao Vento - Cap 59

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Palavras ao Vento - Cap 59

Mensagem  Fernanda em Sab Mar 20, 2010 12:56 am

CAPÍTULO 59



Na manhã seguinte Isa acordou com uma sensação boa, com esperança renovada de que, ao chegar ao hospital Julia se lembrasse dela. Ligou para Mari antes de sair para o trabalho, e por ter falado demais, acabou chegando atrasada na escola.









Julia acordou cedo com as enfermeiras adentrando o quarto, para ministrar-lhe a medicação da manhã.





- Me lembrem quando eu estiver boa, de despedir todas vocês, suas chatas! Me esqueçam. Quero dormir!



- Que bom que acordou bem, Dra. Julia! Mas estamos fazendo o trabalho pelo qual você nos paga - respondeu uma das enfermeiras.





- Eu era uma boa chefe para vocês? - indagou Julia, pois não se lembrava delas.





Se entreolharam. Deveriam dizer a verdade ou mentir? Afinal, foram varias às vezes em que Dra. Julia tinha sido extremamente grosseira com elas. A realidade era única: a médica sempre as tratou como meras funcionárias, e com o autoritarismo que cabia a seu posto de dona da clínica. Optaram por omitir a verdade.





- Sim doutora.





- Acho que não devem ter boas lembranças de mim. Devo ter sido estúpida com vocês em algum momento. Sei muito bem como eu sou, e isto não se apagou da minha memória...





- Tudo bem Dra, todas nós temos nossos momentos de nervosismo.





- É verdade - quando ia continuar o papo com as enfermeiras, sua mãe chega. “Para ter voltado para o Brasil é porque deve ter achado que eu ia morrer”, pensou Julia.





Dona Verônica parou no pé da cama de Julia e a olhou. E Julia retribuiu o olhar.





- Oi, mãe! Ainda não foi dessa vez que se livrou de mim - disse Julia tentando não rir, sabia que sua mãe adorava um drama.





- Julia eu me preocupei com você! Vim logo que soube de seu acidente, e é assim que me trata?





- Mãe para de drama, estou brincando. Apesar de meu parcial esquecimento, bem que eu queria ter me esquecido de você, mas meu cérebro não me poupou.





- Realmente deveria ter esquecido assim me daria mais valor - retrucou Verônica se aproximando da filha, lhe dando um beijo e acariciando-lhe o rosto.





- Eu te amo, apesar de suas grosserias.





- Dona Verônica, estou feliz que tenha vindo. Sinceramente, não esperava vê-la aqui.





- Não sou a bruxa que você imagina! Depois que perdi o meu filho, tive que mudar, e não suportaria perder mais um, eu não iria agüentar. Você não faz idéia da dor que transpassa o coração de uma mãe com a perda de seus filhos, por mais que eles nos odeiem.





- Vem cá mãe, me dá um abraço - por alguma razão estranha as palavras de sua mãe tocaram seu coração.





Abraçaram-se ternamente como a muitos anos não faziam, talvez as duas estivessem dando uma nova oportunidade para mãe e filha.





- Dona Verônica o que foi isto? - perguntou Julia ainda nos braços de sua mãe.



- Eu não sei filha - respondeu a mãe totalmente emocionada.



- Não estou gostando nada disso - falou Julia.



- E nem eu! - respondeu a mãe que sorriu, desfazendo o contato com os braços de sua filha. E quando olhou para o rosto de Julia notou que estava com os olhos marejados. Sentiu nesse instante, que ambas teriam uma nova chance.



Do outro lado da cama de Julia, Lucas observava as duas, sentindo um grande alivio ao vê-las abrindo seus corações para o amor. E desapareceu em paz.





Conversaram até o inicio da tarde, como anos não faziam, ou se algum dia fizeram...









Durante o horário de recreio das crianças, Isa foi para a sala dos professores. Adriana comunicou a todos os professores que teria reunião depois das aulas. Isa estava contando as horas para ir ver Julia e agora sua chefa inventava essa reunião. “Certamente ela vai pensar que não quis ir vê-la”, refletiu consigo, pensando em pedir para não participar. Mal formulara o pensamento, Adriana acrescentou algo mais.



- Senhores e Senhoras, é uma reunião importante e gostaria que não se ausentassem.



Estas palavras foram um balde de água fria nas pretensões de visitar Julia. As reuniões de Adriana demoravam horas.









Julia dormiu quase a tarde toda, acordou e olhou para os lados à procura daqueles lindos olhos verdes que encontrara ao acordar de seu coma. “Ela disse que viria, e porque não veio?”, se perguntava. “Será que temos algo especial, ou ela é só mais uma mulher sem importância pra mim, que dormiu comigo e grudou no meu pé... Ela não parece o tipo que gruda”.





Vanessa, Julinho, Tamy e seu filho chegaram para visitá-la.



Quando fixou os olhos em Tamy, deixou escapar.... – Até que enfim vejo 3 rostos conhecidos! - ao ver seu sobrinho se emocionou, mas não soube por que, pois esqueceu totalmente de Lucas.



Vanessa sentiu um nó na garganta, ao ouvir e confirmar novamente que não fazia parte das lembranças de sua amiga. Engoliu a seco para não arrumar encrenca, sabia que Júlia sempre fora sincera, e não seria diferente.



As crianças correram para abraçá-la... subiu um de cada lado na grade da cama para ficar mais perto de Julia, que abriu os braços para ajudá-los a subir e os acomodou em sua cama. Julinho como sempre era o mais carinhoso, e a encheu de perguntas que a deixou até sem ar. Estava feliz de não ter se esquecido das crianças.



Vanessa os deixou curtirem um pouco Julia e em seguida os levou para a ala de recreação da clínica. Em nenhum momento foi lembrada de ser incluída na conversa, e isso a fez sentir-se um objeto inanimado dentro daquele quarto. Julia e Tamy conversavam animadamente recordando coisas do passado e presente, alguns fatos foram esquecidos, como a morte de seu irmão.





- Vamos crianças - disse Vanessa. - Vou levá-los para sala de recreação.



Suas amigas responderam em coro um sonoro “TÁ”. Vanessa estava triste demais e isso não a deixava se aproximar de sua melhor amiga. Ou era Julia, que não a deixava se aproximar?









Isa estava inconformada de ter que ficar na reunião. Estavam reunidos há quase 1 hora na sala dos professores e a pauta até o momento não passou de bobagens, que não mudava a vida dela em nada. Impaciente, olhava para o relógio a cada 5 minutos, despertando olhares críticos de sua chefe.





40 minutos se passaram e finalmente terminou a reunião. Isa mal se despediu de seus colegas professores e saiu voando dali. A noite já estava chegando, e para chegar mais rápido na clínica, pegou um taxi que não demorou nem 10 minutos para fazer o percurso.



Isa pagou o motorista e entrou apressadamente. Foi direto para o banheiro dar uma ajeitada no visual. Não podia chegar feito uma doida no quarto de Julia. Ficou aproximadamente 5 minutos no banheiro, se penteou, passou o baton que Julia mais gostava, sem esquecer do perfume.



Deu uma última espiadela em si, para ver se estava bem, e achou que sim. Saiu, indo em direção ao elevador que a levaria para o 11º andar. Entrou e o ascensorista esperou um bando de mulheres que vinham para pegar o elevador, sentiu que aquelas pessoas iriam para o mesmo destino que ela. Até chegar no andar foi rezando para que fossem em outro lugar, mas quando a porta se abriu, foi saindo uma após uma, e ela por último. Não estava acreditando, deveria ter ido para casa.



“Vou me aborrecer em algum momento”, pensou.







As amigas de Julia pararam para perguntar qual era o quarto da Dra. Julia, o que permitiu que passasse por trás, chegando antes das mulheres.





Julia estava sentada, assistindo TV. E ao ver Isa entrando com um sorriso que iluminou seu rosto, sentiu um friozinho na barriga. Com a proximidade de Isa só aumentou o que estava sentindo.





- Oi, Julia. Desculpe chegar tão tarde, fiquei presa na escola. Sua amiga Adriana estava insuportável, deve ter brigado com a mulher dela. Lembra da Adriana?



Julia estava olhando para Isabel, tentando com todas as forças se lembrar dela. Mas não conseguiu, apenas tinha guardado o seu nome e seu rosto, e sua voz doce e calma.



- Pensei que você não viesse mais - disse finalmente Julia, depois de sua tentativa frustrada de se lembrar.



- Sentiu minha falta? - perguntou Isabel, sentindo um certo medo da resposta.



- Vieram muitas pessoas hoje, algumas eu conheci e outras não. Minha mãe passou a manhã toda aqui... Mudou alguma coisa entre dona Verônica e eu, não sei explicar ainda se este sentimento vai durar muito entre nós. Eu senti falta de alguma coisa o dia todo, e no instante que entrou, acabou. Então senti sua falta.



Isa sorriu e sentiu uma vontade imensa de beijá-la, e no instante que ia ficar mais perto de Julia, as amigas dela entraram fazendo festa. Circundaram a cama, uma mais eufórica que a outra.



Isa se afastou enquanto Julia conversava com as moças. Ficou sentada no sofá. Julia não fez questão de apresentá-la, e ela também não manifestou querer, mas se falassem com ela responderia. O que Julia poderia falar dela neste momento, a não ser que se chamava Isabel?





Aquela turma toda foi reconhecida por Julia, mas de vez em quando seu olhar corria a procura de Isa. Que sempre retribuía o olhar. E ganhava um sorriso em troca... A cada olhar de Julia, um sorriso, dava-lhe a certeza , que o amor que ela sentia, não fora esquecido. E isto dava forças para Isa continuar lutando por ela.





Já cansada e com fome decidiu ir na lanchonete, pois as moças não pareciam querer ir embora tão cedo.



Ao se levantar Julia achou que ela iria embora, e não hesitou em parar a conversa com as amigas e perguntar.





- Isabel você já está indo embora?





Todas olharam para ela, esperando uma resposta.





- Não, estou indo à lanchonete, quando eu voltar aí sim, irei embora.





Julia não queria que ela fosse embora, tinha esperado por ela o dia todo.





- Que enfermeira mais gostosa que você arrumou - disse uma das mulheres. - Ela tem alguém? Se não tiver vou partir para o ataque.





- Ela não é minha enfermeira.





- E quem é ela? - perguntaram.





- É a Isabel, e ela tem alguém sim - disse rispidamente, sentindo um tremendo ciúmes, ao mesmo tempo irritação, por não saber quem era ela. Isso fez com que pedisse para que as moças fossem embora, alegando que estava muito cansada e com sono.





E prontamente atenderam seu pedido dizendo que voltariam outro dia.





Isa voltou esperando ainda encontrar aquelas mulheres agarradas em Julia. Estava impressionada de ver que ela tinha se lembrado de todas. Tinha prometido a si mesma que não ia se irritar com estas coisas, que sempre geravam brigas entre elas.





Foi se aproximando do quarto, e um silêncio agradável foi sentido. Entrou e encontrou Julia sendo examinada por Dra. Alexia.





- Boa noite, Dra - disse Isa ficando próxima da médica, que parou de examinar Julia para abraçá-la.





Julia ficou perplexa com a atitude da outra médica. Não gostou nada de vê-la abraçando Isa. E fechou a cara, mostrando seu descontentamento diante daquela demonstração de carinho, que não era normal, de uma médica ter com a visita de sua paciente. Enfim não sabia o que estava rolando entre as duas. Será que ela vem me ver mesmo ou a Alexia?, sua cabeça começou a lhe envenenar.





- Pensei que não vinha hoje - falou Alexia já separada de Isa. O interesse da médica foi evidente para Julia.





- Houve alguns imprevistos, que me impediram de chegar mais cedo. Já está ficando tarde, e ainda tenho que preparar as aulas de amanhã - falou indo ficar mais próxima de Julia.





Julia cruzou os braços esperando as duas se lembrarem que ela estava acordada e não mais em coma. Estava sentindo um ciúme, que nunca sentiu antes por nenhuma mulher.





Alexia voltou a examinar Julia que já estava com cara de poucos amigos. Isa percebeu, sorriu e balançou a cabeça. “Não estou acreditando! Julia está com ciúmes? Isso seria muito bom”, pensou.





- Alexia, estou cansada de ficar nesta cama, quero me levantar um pouco. Estou toda inchada, e quero tomar um banho decente.





Alexia fez várias anotações no prontuário. - Tudo bem, mas não abuse! Pode sentir tontura, então não vai sair andando por ai, sozinha.



- Eu sei, esqueceu que sou médica também? - falou sarcasticamente.





- Seu quadro está evoluindo como o esperado, e daqui uns 5 dias daremos alta a você. Seus exames estão bons.





- Que boa notícia! - disse Isa olhando para Julia, que apenas balançou a cabeça confirmando.





- Amanhã eu volto, Julia. Isabel quer uma carona?





Julia não agüentou e soltou de uma vez.





- Ela não quer. Ela não vai agora.





- Posso esperar, ainda tenho que fazer algumas coisas.





- Alexia que parte você não entendeu? Ela não vai com você, e não se faça de sonsa porque eu te conheço muito bem.





Para que as duas não iniciassem uma briga de fato, Isa interveio na conversa.





- Obrigada Dra, não vou para casa direto, vou passar no mercado antes. Quem sabe, outro dia eu aceite.





Julia deu uma olhada para Isa, que meteria medo a qualquer um.





Dra. Alexia se despediu e foi embora.





E as duas permaneceram em silêncio. Julia não sabia se podia se comportar daquela maneira, e Isa por sua vez, estava imensamente feliz com a atitude de seu amor. Claro que para Julia estava sendo difícil. Não sabia que tipo de mulher Isa era, se confiável ou não. Neste momento, mil coisas passavam por sua cabeça. E Isa teria que ter muita paciência, pois sabia que Julia poderia não confiar nela. Ambas estavam confusas.

Fernanda
Admin

Mensagens : 23
Data de inscrição : 09/10/2009
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário http://xenafictions.forumeiros.com - http://xenafictions.50megs.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum